30 de nov de 2009

Reflexos do infinito


Uma semana produtiva


An Open Letter to President Obama From Michael Moore

Dear President Obama,

Do you really want to be the new "war president"? If you go to West Point tomorrow night (Tuesday, 8pm) and announce that you are increasing, rather than withdrawing, the troops in Afghanistan, you are the new war president. Pure and simple. And with that you will do the worst possible thing you could do -- destroy the hopes and dreams so many millions have placed in you. With just one speech tomorrow night you will turn a multitude of young people who were the backbone of your campaign into disillusioned cynics. You will teach them what they've always heard is true -- that all politicians are alike. I simply can't believe you're about to do what they say you are going to do. Please say it isn't so.

It is not your job to do what the generals tell you to do. We are a civilian-run government. WE tell the Joint Chiefs what to do, not the other way around. That's the way General Washington insisted it must be. That's what President Truman told General MacArthur when MacArthur wanted to invade China. "You're fired!," said Truman, and that was that. And you should have fired Gen. McChrystal when he went to the press to preempt you, telling the press what YOU had to do. Let me be blunt: We love our kids in the armed services, but we f*#&in' hate these generals, from Westmoreland in Vietnam to, yes, even Colin Powell for lying to the UN with his made-up drawings of WMD (he has since sought redemption).

So now you feel backed into a corner. 30 years ago this past Thursday (Thanksgiving) the Soviet generals had a cool idea -- "Let's invade Afghanistan!" Well, that turned out to be the final nail in the USSR coffin.

There's a reason they don't call Afghanistan the "Garden State" (though they probably should, seeing how the corrupt President Karzai, whom we back, has his brother in the heroin trade raising poppies). Afghanistan's nickname is the "Graveyard of Empires." If you don't believe it, give the British a call. I'd have you call Genghis Khan but I lost his number. I do have Gorbachev's number though. It's + 41 22 789 1662. I'm sure he could give you an earful about the historic blunder you're about to commit.

With our economic collapse still in full swing and our precious young men and women being sacrificed on the altar of arrogance and greed, the breakdown of this great civilization we call America will head, full throttle, into oblivion if you become the "war president." Empires never think the end is near, until the end is here. Empires think that more evil will force the heathens to toe the line -- and yet it never works. The heathens usually tear them to shreds.

Choose carefully, President Obama. You of all people know that it doesn't have to be this way. You still have a few hours to listen to your heart, and your own clear thinking. You know that nothing good can come from sending more troops halfway around the world to a place neither you nor they understand, to achieve an objective that neither you nor they understand, in a country that does not want us there. You can feel it in your bones.

I know you know that there are LESS than a hundred al-Qaeda left in Afghanistan! A hundred thousand troops trying to crush a hundred guys living in caves? Are you serious? Have you drunk Bush's Kool-Aid? I refuse to believe it.

Your potential decision to expand the war (while saying that you're doing it so you can "end the war") will do more to set your legacy in stone than any of the great things you've said and done in your first year. One more throwing a bone from you to the Republicans and the coalition of the hopeful and the hopeless may be gone -- and this nation will be back in the hands of the haters quicker than you can shout "tea bag!"

Choose carefully, Mr. President. Your corporate backers are going to abandon you as soon as it is clear you are a one-term president and that the nation will be safely back in the hands of the usual idiots who do their bidding. That could be Wednesday morning.

We the people still love you. We the people still have a sliver of hope. But we the people can't take it anymore. We can't take your caving in, over and over, when we elected you by a big, wide margin of millions to get in there and get the job done. What part of "landslide victory" don't you understand?

Don't be deceived into thinking that sending a few more troops into Afghanistan will make a difference, or earn you the respect of the haters. They will not stop until this country is torn asunder and every last dollar is extracted from the poor and soon-to-be poor. You could send a million troops over there and the crazy Right still wouldn't be happy. You would still be the victim of their incessant venom on hate radio and television because no matter what you do, you can't change the one thing about yourself that sends them over the edge.

The haters were not the ones who elected you, and they can't be won over by abandoning the rest of us.

President Obama, it's time to come home. Ask your neighbors in Chicago and the parents of the young men and women doing the fighting and dying if they want more billions and more troops sent to Afghanistan. Do you think they will say, "No, we don't need health care, we don't need jobs, we don't need homes. You go on ahead, Mr. President, and send our wealth and our sons and daughters overseas, 'cause we don't need them, either."

What would Martin Luther King, Jr. do? What would your grandmother do? Not send more poor people to kill other poor people who pose no threat to them, that's what they'd do. Not spend billions and trillions to wage war while American children are sleeping on the streets and standing in bread lines.

All of us that voted and prayed for you and cried the night of your victory have endured an Orwellian hell of eight years of crimes committed in our name: torture, rendition, suspension of the bill of rights, invading nations who had not attacked us, blowing up neighborhoods that Saddam "might" be in (but never was), slaughtering wedding parties in Afghanistan. We watched as hundreds of thousands of Iraqi civilians were slaughtered and tens of thousands of our brave young men and women were killed, maimed, or endured mental anguish -- the full terror of which we scarcely know.

When we elected you we didn't expect miracles. We didn't even expect much change. But we expected some. We thought you would stop the madness. Stop the killing. Stop the insane idea that men with guns can reorganize a nation that doesn't even function as a nation and never, ever has.

Stop, stop, stop! For the sake of the lives of young Americans and Afghan civilians, stop. For the sake of your presidency, hope, and the future of our nation, stop. For God's sake, stop.

Tonight we still have hope.

Tomorrow, we shall see. The ball is in your court. You DON'T have to do this. You can be a profile in courage. You can be your mother's son.

We're counting on you.

Yours,
Michael Moore

20 de nov de 2009

Caetano O Grosso!

Deu no blog do jornalista Luis Nassif:
(http://colunistas.ig.com.br/luisnassif/2009/11/17/melo-do-caetano/)

Melô do Caetano

Por SSBF

Para nunca esquecer que temos de lutar contra o preconceito!

Caetano Veloso: um sujeito alfabetizado, deselegante e preconceituoso

Autor: Antonio Barreto, natural de Santa Bárbara-Ba, residente em Salvador.

Eu já estava estressado
Temendo até por vingança.
Meus alunos na escola
Leitores da ‘cordelança’
E a galera em geral
Sempre a me fazer cobrança.

Todo mundo me acusando
De cordelista medroso
Omisso, conservador
Educador preguiçoso
Por não me pronunciar
Sobre Caetano Veloso.

Logo eu, trabalhador,
Um pouco alfabetizado
Baiano de Santa Bárbara
Sertanejo antenado
Acima de tudo um forte…
E por que ficar calado?

Resolvi tomar coragem
E entrei logo em ação.
Fui dialogar com o povo
E colher a opinião
Se Caetano está correto
Ou merece punição.

Lápis e papel na mão
Comecei a anotar
Tudo em versos de cordel
Da cultura popular
A respeito de Caetano
Conforme vou relatar.

— Artista santo-amarense
Amante da burguesia
Esse baiano arrogante
Cheio de filobostia
Discrimina o presidente
Esbanjando ironia.

— Caro artista prepotente
Tenha mais discernimento.
Seja um Chico Buarque
Seja Milton Nascimento
Seja a luz do Raul Seixas
Deixe de ser rabugento.

— O Caetano deveria
Ser modesto e mais gentil
Porém o seu narcisismo
Que não é nada sutil
Faz dele um homem frustrado
Por ser bem menor que Gil.

— Seu comportamento vil
É algo de outra vida
Ele insiste em muitos erros
Não cura sua ferida
Por isso sua falação
É de alma involuída.

— Caetano é um arrogante
Partidário da exclusão
O que ele fez com Lula
Faz com qualquer cidadão
Sobretudo gente humilde
Que não tem diplomação.

— Por que este cidadão
( o Caetano escleroso )
Não criticou Figueiredo
Presidente desastroso ?
Além de aproveitador
O Caetano é medroso.

— Esse Cae que ora vejo
Não representa a Bahia.
Ser o chefe da Nação
Esse invejoso queria
Mas a sua paranóia
Pouco a pouco lhe atrofia.

— Já pensou se o Caetano
Fosse então educador ?!
“Mataria” os seus alunos
Pela falta de pudor
Pela discriminação
Pelo brio de ditador.

— Ele não leu Marcos Bagno
Pois é leitor displicente.
Seu preconceito lingüístico
Contra o nosso presidente
Discrimina Santo Amaro
Terra de Assis Valente.

— Ele ofende até os mortos:
Paulo Freire, Gonzagão
Patativa do Assaré
O Catulo da Paixão
Ivone Lara, Cartola
Pixinguinha, Jamelão…

— Caetano é um imbecil
Da ditadura um amante.
Um artista egocêntrico
Decadente ambulante
Se julga intelectual
Mas é mesmo arrogante.

— A Bahia está de luto
Diante da piração
Desse artista rabugento
Que adora a exclusão,
Vaca profana, ególatra
Que quer chamar a atenção.

— Vai de reto, Caetanaz
Pega o Menino do Rio
Garoto alfabetizado
Que te provoca arrepio.
Esse sim, não é grosseiro
Nem cafona pro teu cio.

— Um burguês reacionário
Que odeia a pobreza.
Ele não gosta de negro
E só vive na moleza.
Sempre foi um lambe-botas
Do Toninho Malvadeza.

— Vou atender meu cachorro
Pois é algo salutar
Muito mais que prazeroso
Que parar pra escutar
O Caetano elitista
Que começa a definhar.

— Certamente o Caetano
Esqueceu do Gardenal.
Bem na hora da entrevista
Lá se foi o bom astral
Desandou no Estadão
Dando um show de besteiral !

— Caetano ‘Cardoso’ segue
Sempre a favor do “vento”
Por entre fotos e nomes
Sem lenço nem argumento
Vivendo só do passado,
Cada vez mais ciumento.

— Eu respeito a sua arte
Mas preciso declarar
Que quando não tá na mídia
Cae começa a atacar
Sobre tudo as pessoas
De origem popular.

— O Caetano gosta mesmo
É de gente diplomada:
Serra, Aécio, Jereissati,
Toda tribo elitizada…
Bajulou FHC
Que fez muita trapalhada.

— O Caetano discrimina
Pois está enciumado.
Na verdade, o nosso Lula
É um homem educado.
Um nordestino sensível
Muito mais que antenado.

— Dona Canô, com 100 anos
Não perdeu a lucidez.
Mas seu filho Caetano
Ficou pirado de vez
Transformando-se num “cara”
De profunda insensatez.

— Ofendeu Marina Silva
— Através do Silogismo
Mistura de Lula e Obama
Logo quer dizer racismo:
Mulher cafona, grosseira
Analfabeta – que abismo!

Adoro Mabel Veloso,
Betânia, dona Canô…
Para toda essa família
Meu carinho, meu alô.
Mas o mestre Caetanaz
Já está borocoxô!

É proibido proibir
O cordelista versar
Pois conforme disse Cae
“Gente é para brilhar”.
Então permita ao poeta
Liberdade de pensar.

Brasileiros, brasileiras
A Bahia está de luto.
Racistas em nossa terra
Radicalmente eu refuto.
Estamos envergonhados,
Todos fomos humilhados
Oh Caetano ‘involuto’.

FIM

Salvador, triste primavera de 2009

5 de nov de 2009

Cordel: O Traficante de Caicó

Luis Augusto Bitu Bezerra nasceu no Crato [CE] em 1976. Guto, como é conhecido, formado em comunicação social, é membro da Academia dos Cordelistas de Crato e já publicou mais de dez titulos. Além do cordel, Guto Bitu também trabalha com xilografia, desenho, pintura, escultura, cinema... Nos últimos tempos produz arte virtual em Pipa, RN.
 

Cordel: A Reidi

Luis Augusto Bitu Bezerra nasceu no Crato [CE] em 1976. Guto, como é conhecido, formado em comunicação social, é membro da Academia dos Cordelistas de Crato e já publicou mais de dez titulos. Além do cordel, Guto Bitu também trabalha com xilografia, desenho, pintura, escultura, cinema... Nos últimos tempos produz arte virtual em Pipa, RN.

7 de set de 2009

Histórico



Vídeo do Camel Trophy encontrado na Internet. Uma raridade já que o original encontra-se desaparecido e nem o autor, meu companheiro de aventura Carlos Probst, o tem.

17 de ago de 2009

Cambodia


Coloquei algumas fotos do Cambodia na página da ECA13. Se alguém quiser ver, o link está aqui.

A Flor do Amador


Retirado do site da TV PIPA: "A Flor do Amador conta sobre um amor sublime... Duas pessoas, que embora proibidas na vida de estarem juntas, estão unidas por um sentimento forte e inatingível. È um conto espiritual, envolvente, sedutor, cheio de cores e poesias, que em sua fotografia retrata a essência do nosso povo praiano e suas ardentes paixões".


*O filme foi todo gravado na Praia da Pipa, no rio do Galhardo e Santuário Ecológico, durante as oficinas de vídeo da TV PIPA.


Explico: TV PIPA é um projeto que criei para a ONG local do meu arraial, a Educapipa, e que cresceu muito mais do que eu poderia imaginar. Quem quiser entender melhor do projeto, deve visitar seu blog.

Resumidamente, a idéia era um curso de video jornalismo para os jovens da comunidade de Pipa, no Rio Grande do Norte, onde moro. Insatisfeito com o monopólio das ondas do ar, que reserva a concessão de emissoras de rádio e televisão para os barões da política, e algumas poucas universidades, notei que, vendo a telinha da TV, a garotada sabia mais do que se passava no front do Iraque, ou se a Marginal do Tiete estava muito engarrafada, do que as coisas que tinham acontecido na comunidade naquela semana.

Então, sempre adepto que fui da "vídeo-guerrilha", começamos a gravar entrevistas e reportagens utilizando apenas minha câmera fotográfica digital, e editando o material no computador de casa para depois, nas noites de sexta-feira e sábado passar num telão montado na praça central de Pipa. O sucesso foi imediato. O pessoal nativo pela primeira vez se via projetado no telão, e digno de respeito, motivo de grande interesse.

A velha geração da cidade foi entrevistada e os jovens passaram a ver os avós não como mais uma pessoa sem interesse, mas como museus ambulantes, portadores da história local. As histórias de suas próprias famílias!

O projeto ganhou prêmio do Banco do Nordeste, graças aos esforços do Maurício Martins e agora já virou Ponto de Cultura graças a Ariane Stigger! Um arraso e prova da competência do pessoal da TV PIPA e da Educapipa para superar adversidades, mesmo sendo órfãos espirituais, porque minha alma de anarquista me chamou para a Aventura logo depois que vi a moçada resolvendo todos os pepinos sózinhos. Sem mim cresceram e apareceram!

A TV PIPA hoje tem até seu canal próprio no (Ave!) You Tube, onde toda a sua produção pode ser acessada.

Mas voltando ao título deste post, Josiene Santos, uma das alunas e jornalista comunitária das mais dedicadas e criativas acabou se juntando com um grande artista plástico local, Walfran Guedes e produziu este vídeo que considero muito lindo.

Aí está A Flor do Amador:



Quando o sertão vira mar


Ano passado meu compadre Jack me convidou para uma "remadinha" na Barragem Armando Ribeiro Gonçalves, perto de Assú, no sertão do Rio Grande do Norte.

Jack é uma figuraça finíssima, bucaneiro digital, pipense de carteirinha (ainda que de vez em quando diga que "dia destes vombora"), Editor do site ECA13, o espaço cultural virtual da Pipa, e dono da Igaruana.

Seu inspirado blog pessoal foi a fonte onde bebi para fazer este que vocês estão lendo, isso depois dele muito me encher o saco.

Jack queria fazer o reconhecimento de possíveis pontos para acampamento das expedições que faz em belas canoas canadenses. Éramos muitos os amigos a remar com ele, mas, como é comum acontecer nestas ocasiões, todos "querem" ir, mas na hora do embarque estamos sós. Assim, fomos só nos dois acompahados por dois ajudantes nativos. Muita calma.

Ao final dos seis dias acabamos remando 120km. por bastante da margem da Barragem, que tem uns 60km de comprimento e acumula as águas do Rio Piranhas, no meio de um sertão seco e agressivo quando saímos da água.

Foi duríssimo mas ao mesmo tempo delicioso. Como posso explicar esta contradição? Acordávamos bem cedo, às vezes às 4 da madrugada, levantar acampamento, café, remo, remo, remo, mergulho, descanso, remo, remo, remo... um cotidiano impagável, coisas que o dinheiro não compra, mesmo! Cada céu... e até uma lua cheia!

No final da expedição Jack, muito mais criativo do que este escriba, juntou minhas fotos e alguns vídeos que fiz com a câmera fotográfica, adicionou sua própria e sempre misteriosa trilha musical, e botou no (Ave!) You Tube. Aí está:



Quem quiser ler sobre a expedição em detalhes, deve ir neste link.


Índia


Video-brincadeira que fiz em 2004 com algumas gravações feitas com a câmera fotográfica digital, enquanto percorria o Rajastão de trem.



16 de ago de 2009

Adeus Pina Baush





Faleceu algumas semanas atrás, Pina Baush, alemã de 69 anos e uma das mais importantes coreógrafas do mundo. Seu trabalho era tão respeitado que em todos os países onde se apresentava, os ingressos esgotavam assim que eram postos à venda.


Pina trouxe seus espetáculos ao Brasil diversas vezes. E sempre bombava. Ela adorava o Brasil e sua extraordinária musicalidade. Pina morreu apenas apenas cinco dias depois de descobrir que estava com câncer.


Pina também foi uma das pessoas mais elegantes com quem tive o prazer de conviver, e trabalhar, quando eu morava em Roma.


Tudo começou em outubro de 2000, quando eu visitava a casa de uma amiga muito querida, Ninni Romeo, e que trabalhava na produção de um muito aguardado espetáculo de Pina.


Conversa vai, conversa vem, Ninni menciona que um dos bailarinos, que fazia o papel de garçom, havia adoecido e Pina procurava alguém para cobrir a vaga. Logo acrescenta que eu poderia assumir o papel. Depois de rir muito da absurda proposta, só por curtição acabei aceitando encontrar com Pina para saber se eu tinha o biotipo para o papel do garçom que estava faltando.


Dias depois, num almoço na casa de Ninni, conheci Pina, uma pessoa calmíssima e com a gentileza e humildade característica dos gênios. Ela disse que eu era perfeito para representar o garçom. Pouco depois nos encontramos no Teatro Argentina, uma das mais antigas e belas casas de espetáculo de Roma, com muitos andares de veludo vermelho e dourado.


Comecei logo a ensaiar junto com os bailarinos. Eu entrava em cena apenas nos últimos três minutos do espetáculo “O Dido”, e minha função era apenas entrar em cena vestido de terno e gravata borboleta, servir expressos numa bandeja para os seis casais de bailarinos que paravam momentaneamente, bebiam o café que eu oferecia e o espetáculo terminava.


Pina reclamou algumas vezes comigo porque eu oferecia o café “com excessiva gentileza”. No espetáculo o garçom tinha que ser rude, pois segundo me explicou, meu papel era de um garçom italiano, e que “não há garçons italianos gentis”. Logo aprendi a interpretar grosseiramente e ela me deixou em paz.


Durante uma semana de sonho entrei em cena lá pelas 10:30 da noite, cabelo engomado liso, com minha bandeja de pequenas xícaras (vazias) de café. Servia aos bailarinos diante de uma platéia monumental, pois os ingressos tinham se esgotado semanas antes, e imediatamente o espetáculo acabava.


Quando a cortina se fechava, eu, figura insignificante numa apresentação daquela magnitude, ficava parado NO MEIO do palco e todos os bailarinos vinham se juntar a mim para agradecer aos aplausos. Sentia-me como uma grande estrela apesar da minha minúscula participação. Nunca fui tão aclamado e aplaudido por tão pouco esforço e por uma platéia tão seleta. E ainda era pago pela minha brevíssima atuação!


Mas na primeira noite minha surpresa foi ainda maior quando, ao fim do espetáculo, vindo da platéia que aplaudia longamente, ouvi gritos de “Bravo Tito!”, obviamente uma brincadeira de algum conhecido. O público gostava tanto do espetáculo que os bailarinos voltavam seis, sete vezes, para agradecer, e os aplausos não paravam.


Após a terceira rodada de aplausos Pina vinha se juntar aos bailarinos que curvavam-se agradecendo ao público... e eu, inacreditavelmente, no meio de tudo isso.


No dia seguinte descobri quem era o autor dos gritos com meu nome, o sociólogo italiano, e amigo, Domenico De Masi, e sua adorável esposa, Suzi, que na platéia divertiam-se com meu evidente embaraço naquela cena inacreditável que estava vivendo.


Durante os aplausos, entre uma abertura e outra das cortinas, fiquei para trás e tirei fotos tremendo de emoção, pois a cena era absolutamente inesquecível. Aqui, neste blog, publico estas fotos pela primeira vez.


Saudades Pina! Você fará falta ao mundo.

Doces e arte

Não sou muito chegado a doces, mas alguns transcendem o aspecto do sabor e chegam ao nivel de criações artísticas.
Na região italiana da Sicília as confeitarias enlouquecem quem as visita pela primeira vez, como este escriba alguns anos atrás. A tradição de fazer doces nos formatos das frutas que lhe dão o sabor é inigualável, e a beleza não escapa aos olhos dos observadores atentos. Numa época onde torna-se cada vez mais difícil comer bem, tipo Slow Food, é justificável tirar o chapéu para os confeiteiros que mantém vivas as tradições e o bom gosto.

Ruth de Aquino e Marina Silva


Ruth de Aquino é uma das mulheres mais inteligentes que conheci, e uma simpatia à toda prova. Quando eu morava em Jericiacoara, em 2002, veio me visitar e deixou de presente um dos mais belos trabalhos do Miles Davis, "A Kind of Blue", que ouço sem cansar desde então. Na época ela trabalhava na Editora Abril, encarregada de uma proposta nova, que hoje está super na moda, chamada "Convergência", que é o que está acontecendo entre TV, celular, internet e tais. Há muito tempo não a vejo mas quando li este texto abaixo que publicou esta semana na revista Época, onde é diretora da sucursal do Rio de Janeiro, reconheci o estilo inteligente da amiga, que durante um período foi responsável pelas belas entrevistas nas Páginas Amarelas da Veja (ugh!). Foi também a única mulher a ser Editora Chefe de um grande jornal na América Latina, O Dia, do Rio de Janeiro. Leiam abaixo.
Deu na ÉPOCA

Morena Marina, você se pintou

De Ruth de Aquino:

Marina, você faça tudo, mas faça o favor. Não mude o discurso da ética, que é só seu. Marina, você já é respeitada com o que Deus lhe deu. O povo se aborreceu, se zangou, e cansou de falar. Lula e Dilma estão de mal com você e não vão perdoar. Mas o eleitor não poderia arranjar outra igual para embaralhar o jogo sonolento da sucessão em 2010. Ao menos num dos turnos, vamos discutir princípios e fins. E principalmente os meios.

Nem em suas orações diárias Maria Osmarina Marina da Silva Vaz de Lima sonharia provocar tanto medo antes mesmo de decidir trocar o PT pelo PV. Nascida no Acre, filha de seringueiros migrantes cearenses, analfabeta até os 16 anos, aprendeu a ler quando trabalhava como empregada doméstica. A mãe tinha morrido. Pelo Mobral, fez em quatro anos o primeiro e o segundo graus. Contraiu cinco malárias, duas hepatites. Formou-se em história. Queria ser freira, mas virou marxista. Hoje é evangélica. Tem quatro filhos. Foi a mais jovem senadora do Brasil, aos 35 anos.

Lula a nomeou ministra do Meio Ambiente. Cinco anos depois, saiu derrotada e desgastada. Ao pedir demissão, citou a Bíblia: “É melhor um filho vivo no colo de outro”. O filho era a política ambiental. Ela tinha brigado com outra mãe cheia de energia, a do PAC.

Católicos como Frei Betto e Leonardo Boff receberam telefonemas de Marina na semana passada. Ela falou de desenvolvimento sustentável, de vida, de humanidade, da terra.

O mais forte cabo eleitoral de Marina, neste agosto, se chama José Sarney – e tudo o que ele representa. O país ficou desgostoso com o presidente do Senado, suas mentiras inflamadas na tribuna, seu sorriso bonzinho de avô da República – e com o apoio incondicional de Lula ao maranhense. O nome Marina, sussurrado, ganhou a força da natureza no olho do furacão em Brasília.

O ex-ministro José Dirceu escreveu que o mandato da senadora “pertence ao PT”. Marina disse que já enfrentou madeireiros, fazendeiros, cangaceiros: “Com certeza o Zé (Dirceu) não fez isso para me intimidar; não faz parte do caráter dele”.

O outro forte cabo eleitoral de Marina é a ministra Dilma Rousseff, pela falta de carisma. Marina não ameaçaria tanto se a ministra do crescimento tivesse conquistado o país ou ao menos seu próprio partido. Não se nega o valor pessoal de Dilma, mas seu nome foi imposto. Lula botou na cabeça que vai eleger seu poste. “Da campanha da Dilma cuido eu”, teria dito a um cacique do PT paulista.

As baratas todas voaram. Quem tem amigos como o deputado federal Ciro Gomes não precisa de inimigos. Lula chegou a apostar nele para o governo em São Paulo. Mas Ciro quer outros voos: foi o primeiro a dizer que Marina “implode a candidatura de Dilma”... “uma persona política em formação”...“que foi obrigada a defender Sarney”.

Dilma pediu a Marina que ficasse. “Estou triste. Preferia que ela continuasse no PT porque é uma grande lutadora.” Vocês acreditam? A ministra já esqueceu as rixas com a ambientalista que botava areia nas hidrelétricas? Depois, Dilma mudou o tom: “Eu sempre acho que quanto mais mulher melhor”. É mesmo?

Dilma é vista como “a mulher do Lula” – a massa ainda não conseguiu decorar seu nome. Lula ergueu a mão da mãe do PAC nos palanques país afora e disse que o Brasil está preparado para “uma mulher na Presidência”.

Lula só não esperava que uma sombra austera de saias emergisse da floresta. Com seu fundamentalismo, a fé, as convicções, a integridade, a coerência em 30 anos de PT. Sem dedo em riste. É muita ironia. E na mesma semana em que Lula dá uma rádio para o filho de Renan Calheiros, outro senador que “obra e anda” para a opinião pública.

O maior trunfo de Marina não é ser mulher nem petista de raiz ou defensora do verde. Ninguém supõe hoje que ela possa ser eleita presidente sozinha, contra as duas máquinas. Mas sua biografia e as frases recheadas de atitude – “perco o pescoço mas não o juízo” – entusiasmam os desiludidos.

Marina Silva obriga tanto Dilma quanto o tucano José Serra a se perguntar: como combater quem fala, baixo mas firme, a sua própria verdade?

12 de ago de 2009

Hora do recreio



Depois de uma tarde adicionando novas postagens, cansei! Nada melhor do que encerrar o expediente com uma foto do descanso merecido deste escriba num riacho nas montanhas do estado do Colorado, Estados Unidos, durante uma viagem em 1986. Descansar é uma das minhas atividades favoritas e que levou um amigo a chamar-me de "Profeta do Ócio". Nada mal...

Carlos Minc atuante


Deu no jornal


BR-319: sem licença ambiental


A princípio irritado com Carlos Minc por causa da falta da licença ambiental, o presidente Lula acabou por aceitar os argumentos de seu ministro do Meio Ambiente de que a liberação para a pavimentação da BR-319, que liga Manaus a Porto Velho, só deve ocorrer depois que o Ministério dos Transportes instalar em um trecho de cerca de 240 quilômetros postos de vigilância e áreas de proteção ambiental. De acordo com informação de assessores de Lula, ele foi convencido por Minc de que, apesar de a estrada ter sido aberta no início dos anos 70, a realidade hoje é diferente. Corre-se o risco de o asfaltamento da estrada causar uma tragédia ambiental, virando o que os ambientalistas chamam de "espinha de peixe" – OESP, 12/8, Vida, p.A20.



Conhecedor da região, sei o quão importante é impedir que a esta estrada seja recuperada e asfaltada sem controlar os homens-saúva, aquela espécie que vive normalmente na região amazônica e só pensa em destruir. O que já foi devastado neste país pela abertura irresponsável de estradas é um horror. Esta estrada margeia o Rio Madeira, e em qualquer país civilizado e/ou com administração sensata, a opção óbvia seria usar o rio ao invés de construir uma estrada de altíssima manutenção. O transporte fluvial sempre é mais ecológico: gasta menos em infra-estrutura, destrói menos o meio ambiente e custa muito menos o frete. Se deixar correr solto os paranaenses vão lá e cortam tudo. Digo isso porque a maioria dos madeireiros que conheci no Mato Grosso, Rondônia e Pará eram oriundos do Paraná.


Na foto, tirada há 24 anos atrás, em 1985, Minc e este escriba mucho loco, quando ambos militavam no Partido Verde do Rio de Janeiro. Ele era deputado estadual, no primeiro de seus muitos mandatos. Não é fácil encontrar políticos honestos, competentes e coerentes, mas que os há, há!

Voadores 2

Barreirinhas, Maranhão

Voadores 1


Sou fascinado por pessoas em pleno vôo, e sempre que aparece uma eu tento fotografar. Aqui começa a série. Esta é numa lagoa perto de Jericoacoara, Ceará.

Só vendo para acreditar 1



Piscina do SESC em Natal, RN

Mictórios Com Paisagem 1



Baía Formosa, Rio Grande do Norte

Paraibano conformado


Marina, canditata dos utopistas?



A senadora Marina Silva está na dúvida sobre se fica no PT e aguenta a incoerência, ou entra no PV (cá para nós, outra incoerência) e é candidata a presidência do país. Eu, que sempre tive grande admiração pela Marina, como senadora, ministra ou pessoa física, fiquei também confuso. E agora? Tenho que admitir que nunca votaria no Serra, o candidato da caretice assumida, nem no Ciro, o candidato da grosseria. Dilma é a arrogância em pessoa e Aécio o candidato dos Yuppies. Sobrou o quê?

Olhem só o que Marina Silva tem falado estes dias:

"Eu sinto a necessidade de haver portadores de utopia e eu estou disposta a ser a portadora de uma utopia... Até os 30 anos, somos influenciados pelas nossas utopias. Depois dos 50, temos que colocá-las em prática."


E logo eu, que sempre fui a favor das utopias, já balancei. Eleição no Brasil é como tourada, uma afronta à civilização. E esta coisa de votar no "menos pior" também tem suas consequências, como por exemplo uma consciência pesada quando nosso candidato uma vez eleito desanda a fazer burrices e fugir da sua trajetória e coerência, como Lula hoje em dia apoiando Sarney.


Olho na Marina porque ela é, no mínimo, uma pessoa séria.




Flanar ou não flanar, eis a questão!



"A man who leaves home to mend himself and others is a philosopher, but he who goes from country to country guided by blind impulses of curiosity is a vagabond."
Oliver Goldsmith

E se o viajante está nas duas opções? Me perdoe o Oliver, seja ele quem for, mas há muita gente que como eu busca através das viagens consertar seus defeitos e de quebra alguns do mundo, mas nem por isso deixa de vagabundear ou abandona seus impulsos.

E o que teria o tal Oliver contra seguir seus impulsos? Que tal considerar-se um vagabundo filosófico? Ou um filósofo vagabundante? Atenção para a sempre presente discriminação contra alguém que pense diferente de nós. O que você tem contra os vagabundos? O que há de errado em ser vagabundo se não estamos vivendo às custas de ninguém? Há quem trabalhe muito apenas para sustentar o vício, hábito, mania, desejo, curiosidade ou instinto de viajar.

Conheço um monte de gente assim, a maioria gente finíssima, para si mesmos, suas famílias, amigos e até para a sociedade.

Que tal trabalhar uns anos juntando dinheiro para depois passar um tempão só flanando pelas estradas do mundo? Fiz isso a maior parte de minha vida, confesso sem zero vírgula zero de arrependimento!

Flanar, ô verbo delicioso! Nós todos ainda estamos muito contaminados pela cultura judeu-cristã que exige ocupação permanente e produtiva dos humanos. Não caia nessa! Só se vive uma vez. Não desperdiçe sua única chance!

É possível ser produtivo deitado na rede olhando o horizonte, e muitas pessoas que trabalham o dia todo podem não estar sendo nada produtivas. As pessoas tendem a simplificar as questões filosóficas, e isto pode ser uma armadilha.

Aconselho os incautos leitores a lerem além destes titobeantes textos, o livro "Manifesto Contra o Trabalho" do Grupo Krisis, editado pela Conrad Editora. Um livro verdadeiramente revolucionário. Gaste apenas uns trocados que poderão mudar sua vida como mudaram a minha.

A foto que ilustra esta postagem é em Guethary, sudoeste da França, um dos meus Lugares Mágicos. E a sugestão de uma atitude contemplativa é mera coincidência. As ondas perfeitas também.

Devaneios



"For my part, I travel not to go anywhere, but to go. I travel for travel's sake. The great affair is to move." Stevenson

É como eu dizia: viajar é melhor do que ver televisão, porque nunca repete o mesmo programa ou filme. Tem tela melhor do que parabrisas ou janela de ônibus ou carro? Para mim o parabrisas é como aqueles móbiles que ficam balançando em cima dos berços dos bebês. Entretenimento garantido!

24 de jul de 2009

O preço do conhecimento

Depois de ler alguns dos meus relatos de viagens, as pessoas me perguntam porque opto por "sofrer" indo para locais primitivos e de difícil deslocamento.

Um exemplo recente foi durante a viagem que acabo de realizar durante três meses e mais de vinte mil quilômetros pelas trilhas e estradas da África do Sul, Lesoto, Namíbia, Botswana, Zimbabwe, Zambia, Malawi, Moçambique e Swaziland. Amigos ficaram espantados com as dificuldades que tive que superar e o desconforto que tive que suportar.

Sempre achei difícil explicar porque algumas viagens trazem tantos desafios. Talvez seja mais fácil responder com outras perguntas. Por exemplo: porque tantas pessoas gostam do montanhismo e de escalar montanhas? Passam dias e às vezes meses treinando para sofrer terrivelmente em suas empreitadas para, assim que chegarem ao topo, se chegarem, olharem lá de cima o panorama e logo descerem.

Porque um surfista rema sua prancha com grande esforço físico para passar a arrebentação, enfrentando ondas fortes e correntezas traiçoeiras para assim que chegar lá fora pegar uma onda, voltar para a praia e recomeçar tudo de novo? E isto várias vezes por dia! E que dizer dos ciclistas que pedalam horas seguidas sob sol e chuva, frio e calor, subindo estradas íngremes e arriscando serem atropelados? Maratonistas adoram correr até o corpo todo doer, e dizem que se sentem super bem.

Quem passa por estas experiências sabe onde estão seus limites e entende a vida, em suas conquistas e suas derrotas. Sofrer é parte inalienável do viver. E suas recompensas tem valor intangível. O conhecimento vem da experiência, e nem sempre esta pode ser adquirida em condições de conforto.

Na África a vida é difícil, a pobreza é a regra e não a exceção. O único transporte do pobre é o ônibus apertado, que passa apenas uma vez por dia, ou a carroceria dos caminhões lotados de mercadorias e expostos ao vento, chuva e poeira. O viajante, na maioria das vezes sem seu transporte pessoal tem que ir junto com eles.

Cada viagem tem seu preço. Na África se viaja muito barato em termos de despesas, mas em custo pessoal é caríssimo. Por outro lado se aprende muito sobre esta nossa espécie humana tão curiosa e fascinante.

Nesta última viagem pela África, para conhecer os lugares que me atraem há anos, fui obrigado a passar por grandes dificuldades e muitas vezes ficando tão estressado e cansado que também eu cheguei a duvidar da inteligência das minhas opções. Mas não há como parir uma experiência de vida sem as dores do parto. Nascemos do sofrimento e raros são aqueles que conseguem viver uma vida inteira sem passar por grandes dificuldades.

O conhecimento também tem seu preço, e quem o busca tem que estar preparado para pagar o que for para adquiri-lo. Volto da África mais rico em experiências, depois de sofrer junto com o pobre povo local em meus deslocamentos. Vi e vivi com eles as barbaridades a que tem que se submeter esta gente miserável para simplesmente existir, dificuldades que são causadas principalmente por políticos corruptos e seus associados empresários gananciosos.

Retornando percebo melhor todo os elementos que unem a exploração do povo africano à nossa própria aqui no Brasil, uma África latino americana, e posso me sentir mais aliviado por ter que admitir que estamos anos luz à frente do povo africano em organização social.

Posso entender melhor os passos importantes que nossa sociedade deu, e continua dando, mesmo que lentamente, para distanciar-se do colonialismo e do subdesenvolvimento, e só por isso já me sinto menos envergonhado da ainda injusta estrutura social do país em que vivo.

E por isso acho que as dificuldades que passei foram um preço bem barato. Já estou no lucro! Sofrer quem, cara-pálida?

Spitzkoppe, Namíbia

Há fotos que sabemos de imediato vão tornar-se tatuagens em nossa alma. A região das montanhas Spitzkoppe, no norte da Namíbia é propícia a estas fotos. Quando acordei de manhã e vi a luz do sol nascendo atrás das montanhas, saltei fora da barraca e subi num monte de pedras para ver melhor. O vento frio e cheiroso, o silêncio absoluto e as montanhas saindo da terra aqui e ali, me embriagaram imediatamente. Para mim esta imagem é a epítome da vida do viajante, em seus momentos de sorte, porque há momentos de total decepção e/ou sofrimento. Haja sorte!

Ilala. À bordo da História

Um clássico do universo dos viajantes, o Ilala há mais de 50 anos vem transportando pessoas e mercadorias ao longo do Lago Malawi, o país do mesmo nome e que fica no sul da África. Desde que soube de sua existência fiz planos para estar à bordo em algum trecho de sua rota. Este ano consegui, no trajeto Nkhata Bay, ilhas de Chizumulu e Likoma, Metangula (Moçambique) e Nkhotakota. Junto comigo viajavam centenas de nativos levando o produto de suas safras em centenas de sacos que abarrotavam corredores e impediam a passagem das pessoas. Uma aventura difícil e que envolvia enorme sacrifício para embarcar e desembarcar junto com os passageiros e a carga, mas que agora, com o passar do tempo, torna-se apenas uma bela lembrança.

Rios e caminhos

Rios formam leitos naturais para estradas. Eles cavam a terra em busca dos caminhos para as partes mais baixas, fazendo com que as estradas sejam naturalmente suas companheiras. Quem faz o traçado é o rio, os homens apenas pegam a dica e a seguem. Quem escuta a natureza facilita sua vida. Mais uma do sertão da Paraíba. Estas últimas fotos são as mais recentes e por isso achei-as facilmente. A partir de agora vou buscar em outros cantos achar aquelas que ainda não se perderam no meu Alzheimer particular.

Tropicalidade

Desde que fotografo me considero um especialista em cartões postais. Longe de querer ser um "artista", apenas tento descobrir a beleza, onde quer que ela esteja, e registrá-la em foto. Talvez seja uma forma de contrabalançar a sensação que tenho de que o mundo criado pelos humanos é intrinsicamente feio. Acho que poderia definir-me como um colecionador de paraísos, e quando viajo, mais do que buscar conhecer culturas exóticas, vou atrás dos lugares onde a beleza natural possa estar em qualquer das suas formas. Esta é uma trilha que fica no sertão, separando o Rio Grande do Norte da Paraíba e passa pelo Parque Estadual da Pedra da Boca, onde ficam belas formações rochosas.

Praiana

Esta foto é em Vilankulo, no Moçambique. Achei a combinação coqueiros, praia, barcos e pescadores muito idílica. Enquanto caminhava pensava na sorte que tinha por estar naquele lugar, naquele dia. Algumas vezes tenho a sensação de estar dentro de um filme. Quando me sinto dentro de um filme é porque estou me sentindo muito bem. Será isto a tal da felicidade?

Casebre


Outra trilha no interior do Ceará, onde vivi um ano da minha vida. Percorri intensamente tanto o litoral como o sertão, mas neste dia e nesta hora a cena ofereceu-se sem pedir licença.

Uma brecha na pedra

No sertão do Ceará, passei por esta pequena garganta que me pareceu especial. A luz, o pavimento feito nas mesmas pedras das paredes, a uniformidade das cores, tudo me pareceu muito simples mas agradável.

A luta pela sobrevivência

Viajando sem destino certo pelo sertão da Paraíba dei de cara com este trecho da trilha que me pareceu simbólico da região onde a vida tem que ter muita força para resistir às dificuldades que o clima e o solo impõe. A maioria dos brasileiros que conheçem o sertão não conseguem perceber sua beleza sutil e até mesmo violenta, mas curiosamente os estrangeiros que levo para lá sempre ficam fascinados pelo ecosistema, com todas as suas características de aridez e pouca cor.

Adaptabilidade

Outra foto que vejo de olhos fechados. Estava no Havaí em 1987 e dirigindo a esmo dei de cara com este trecho da estrada que tinha sido afetado por uma das tantas erupções vulcanicas que sacodem a ilha de vez em quando. A terra mexeu mas a estrada foi junto, cheia de simbolismos com sua adaptação aos caprichos da natureza. Na maioria das situações a flexibilidade pode garantir a sobrevivência. As lições estão aí escancaradas na nossa frente, é só saber achá-las.